CriandoBits
Identifique-se Entrar Esqueceu a senha? Esqueci minha senha

Técnicas SEO

Por Benedito Silva Júnior - publicado em 22/07/2016


Técnicas SEO
SEO é um conjunto de técnicas que têm como principal objetivo tornar os sites mais amigáveis para os sites de busca, trabalhando palavras-chave selecionadas no conteúdo do site de modo que este fique melhor posicionado nos resultados orgânicos.

O termo SEO (do inglês, Search Engine Optimization) também se refere a indústria de consultoria, que trabalha na otimização de projetos e websites de seus clientes.

Alguns comentaristas, e também alguns profissionais de SEO, dividiram os métodos usados por seus praticantes em categorias como os "SEO de White Hat" (geralmente utilizam métodos aprovados pelos sistemas de busca, como a prática de construção de conteúdo relevante e melhoria da qualidade do site), ou "SEO de Black Hat" (utilizam truques como "Cloaking", que é a camuflagem do conteúdo real da página, e spamdexing). O termo "spamdexing" (originado da fusão de spam e indexing) refere-se a pratica de Spam direcionada aos motores de busca.

Nem todos os sites têm objetivos idênticos para a otimização em sistemas de busca. Alguns querem atingir todo o tipo de tráfego na rede e podem ser otimizados para incrementar a busca de frases comuns.

Uma boa estratégia para otimização nos sistemas de busca pode funcionar perfeitamente com sites que tenham interesse em atingir um grande público-alvo, tais como informativos periódicos, serviços de diretórios, guias, ou sites que exibem publicidade com um modelo baseado em CPM (cost per mile).

Muitas empresas tentam otimizar seus sites para um grande número de palavras-chave altamente específicas que indicam a disponibilidade para venda. Otimizações deste tipo, tendo em vista um amplo espectro de termos de busca, pode impedir a venda de produtos por gerar um grande volume de requisições com baixa-qualidade, com um custo financeiro alto, resultando em pequeno volume de vendas.

Focalizar a qualidade do tráfego gera melhor qualidade nas vendas, permitindo que sua equipe de vendas feche negócios mais rentáveis. A otimização para sistemas de busca pode ser muito eficiente quando usada como parte de uma estratégia de Marketing.

Surgimento do termo SEO (Search Engine Optimization)

Existem três "propostas" para Net Results, onde Bob Heyman juntamente com Leland Harden, definiram verbalmente o termo após melhorarem o posicionamento de um website de um cliente.

A segunda vertente, e mais concreta que a primeira, é um post referenciado por Danny Sullivan, indicando um post SPAM feito na Usenet em 26 de Julho de 1997, onde o termo Search Engine Optimization aparece.

Por fim, a terceira vertente, que é mais concreta e antiga, sugere que o termo é uma criação da Multimedia Marketing Group (MMG), empresa online de John Audette, que possuía páginas no início de 1997 que já mencionavam o termo Search Engine Optimization.

Critérios de classificação de um website

Para classificar os sites, os mecanismos de busca levam em consideração os seguintes aspectos:

» Tempo de registro do domínio (Idade do domínio);

» Idade do conteúdo;

» Frequência do conteúdo: regularidade com a qual novo conteúdo é adicionado;

» Tamanho do texto: número de palavras acima de 200-250 (não afetava o Google em 2005);

» Idade do link e reputação do site que o aponta;

» Características padrão da página;

» Pontuação negativa sobre as características da página (por exemplo, redução para sítios web com utilização extensiva de meta-tags de palavra chave, indicativos de terem sido artificialmente otimizadas);

» Originalidade do conteúdo;

» Termos relevantes utilizados no conteúdo (os termos que os buscadores associam como sendo relacionados ao tema principal da página);

» Google Pagerank (usado apenas no algoritmo do Google);

» Quantidade de links externos;

» O texto âncora contido nos links externos;

» Relevância do site que linka para o seu website;

» Citações e fontes de pesquisa (indica que o conteúdo é de qualidade para pesquisa);

» Termos relacionados na base de dados do mecanismo de busca (financiar/financiamento);

» Pontuação negativa para links de chegada (provavelmente advindos de páginas de baixo valor, links de chegada recíprocos, etc.);

» Ritmo de aquisição dos links de chegada: muitos ou incremento muito rápido pode indicar atividade de comercial de compra de links;

» Texto próximos aos links que apontam para fora e os links de chegada. Um link acompanhado das palavras "links patrocinados" pode ser ignorado;

» Uso da tag "rel=nofollow" para esculpir o ranking interno do website;

» Profundidade do documento no site;

» Métricas coletadas de outras fontes, tais como monitoramento da frequência com a qual usuários retornam clicando em voltar quando as SERPs as enviam para uma página em particular (Bouncerate);

» Métricas coletadas de fontes como Google Toolbar, Google AdWords/Adsense, etc;

» Métricas coletadas de compartilhamento de dados com terceiros (como provedores de dados estatísticos de programas utilizados para monitorar tráfego de sítios (sites));

» Ritmo de remoção dos links que apontam para o site;

» Uso de sub-domínios, uso de palavras-chave em sub-domínios e volume de conteúdo nos sub-domínios, com pontuação negativa para esta atividade;

» Conexões semânticas dos documentos servidos;

» IP do serviço de hospedagem e o número/qualidade dos demais sites hospedados lá;

» Uso de redirecionamentos 301 ao invés de redirecionamentos 302 (temporário);

» Mostrar um cabeçalho de erro 404 em vez de 200 para páginas que não existem;

» Uso adequado do arquivo robots.txt;

» Frequência de tempo em que servidor se encontra ativo (Confiabilidade);

» Se o site mostra conteúdo diferente a diferente tipos de usuários ou crawlers (cloaking);

» Links "quebrados";

» Conteúdo inseguro ou ilegal;

» Qualidade da codificação HTML, presença de erros no código;

» Taxa real de cliques observados pelo mecanismo de busca para as listas exibidas na SERPs;

» Classificação de importância feita por humanos nas páginas com acessos mais frequentes - ODP;

» Velocidade de carregamento do site e o uso de CDNs;

» Uso de URL´s amigáveis. Usar códigos e parâmetros não indica qual é a proposta do conteúdo. Então, a URL amigável é sempre importante;

» Envio de arquivo XML através de uma conta configurada no Google Webmaster Tools com o mapa de páginas mais importantes de seu site;

» O site precisa ter a versão mobile ou responsivo, isso a partir do 21 de abril de 2015.

Qualidade e Rankeamento de Páginas

Um dos fatores que os buscadores analisam na hora de ranquear um site é o equilíbrio das palavras-chave, tanto no código, quanto no endereço e no texto. Os buscadores reconhecem o assunto de cada página do site analisando as palavras-chave contidas nela e trata esta página de uma maneira diferenciada caso ela esteja falando exatamente do que se propôs, melhorando o posicionamento nas pesquisas.

Um webmaster que deseja maximizar o valor do seu site pode ler as diretrizes publicadas pelos mecanismos de busca, assim como as diretrizes de codificação publicadas pelo World Wide Web Consortium. Se estas forem seguidas, e o site apresentar conteúdo atualizado, útil, original e relativamente significativo, links de acesso úteis, pode ser possível alcançar uma grande quantidade de tráfego e um bom posicionamento no mecanismo de busca.

Quando um site possui conteúdo útil e cativante, há uma grande chance de que outros webmasters criem naturalmente um link para ele, aumentando o PageRank e o número de visitantes do website. Ao descobrirem um website interessante, os visitantes tendem a indicar o website, colocando como favorito ou linkando para ele.

Como resultado, práticas de SEO que aumentam a qualidade do site mais provavelmente superarão táticas de manipulação do mecanismo de busca. Os melhores SEO recomendam focar-se em algo que sites de busca procuram: conteúdo relevante e útil para seus usuários.

Fonte:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Otimiza%C3%A7%C3%A3o_para_motores_de_busca


 
Subir ao topo da páginaTopo